221 118 413 (08.00h às 23.00h) geral@ptmedical.pt

Doutor, o meu filho está com vómitos...

E Agora?

Introdução

Os vómitos são um frequente motivo de procura dos cuidados de saúde.

Consiste na expulsão violenta pela boca do conteúdo do estômago e duodeno provocada pelo aumento e inversão da atividade motora da parede gastrointestinal e do abdómen.

Felizmente, na grande maioria das vezes, os vómitos são auto-limitados, não tendo duração superior a dois dias. Raramente estão associados a doenças sérias.

Este sintoma é muitas vezes confundido com a regurgitação e com a ruminação, sendo frequentemente causador de ansiedade e procura médica.

A regurgitação corresponde à expulsão de pequenas quantidades de alimentos já deglutidos, pouco depois de terem sido ingeridos, sem qualquer esforço; por sua vez, a ruminação é uma condição caracterizada por regurgitação repetitiva de alimentos recentemente ingeridos para a boca, seguida de remastigação e nova deglutição.

Causas dos Vómitos

A causa mais comum dos vómitos na idade pediátrica é a gastroenterite, que consiste numa infeção gastrointestinal causada por vírus ou bactérias. Está frequentemente associada a diarreia.

No entanto, a causa dos vómitos por vezes é mais complexa e uma grande variedade de doenças podem estar associadas.

A título de curiosidade, deixamos a tabela que se segue com as causas de vómitos de acordo com a idade.

< 3 semanas

3 semanas-4 anos

> 4 anos

Adolescentes

Causas comuns

Refluxo

Estenose hipertrófica do piloro

Sépsis

ITU

Atresia do esófago

Erros inatos do metabolismo

Hidrocefalia

Intolerância ao leite

Intoxicação

GEA

RGE

Pós-acesso de tosse

Carga excessiva

Intolerância às proteínas do leite de vaca

ITU

Não-específica (Otite médica aguda, Pneumonia)

GEA/gastrite

Não específica (otite média aguda, amigdalite, sinusite)

Pós-acesso de tosse

ITU

Meningite

Tóxico/ Envenenamento/ Drogas

DRGE

Cinetose

GEA/Gastrite

DRGE

Apendicite

Ingestão (drogas, Bacillus cereus)

Enxaqueca

Doença inflamatória intestinal

Obstrução

Causas incomuns

Hiperplasia congénita da SR

Íleo meconial

Hérnia encarcerada

Doença de Hirschprung

Hemorragia intracraniana

 

Erros inatos do metabolismo

Acidose tubular aguda

Malrotação

Obstrução intestinal

Invaginação intestinal

Intolerância à lactose

Insuficiência renal

HTIC

Cetoacidose diabética

Erros inatos do metabolismo

Hepatite

Enxaqueca

Úlcera péptica

Pancreatite

HTIC (tumor)

Síndrome de Reye

Síndrome dos vómitos cíclicos

Hepatite

Cetoacidose diabética

Úlcera péptica

Psicogénico

Pancreatite

Litíase biliar

Cólica renal

HTIC (tumor)

Doença do ouvido médio

 Síndrome dos vómitos cíclicos

ITU – Infeção do trato urinário; SR – suprarrenal; GEA – Gastroenterite aguda; OMA – Otite média aguda; HTIC – Hipertensão intracraniana; DRGE – Doença do refluxo gastroesofágico

Causas mais frequentes de acordo com a idade

Recém-nascidos e lactentes – o vómito não é normal e deve ser considerado, particularmente se estiverem presentes sinais de gravidade (por exemplo, febre, perda de peso ou recusa alimentar). Entre as hipóteses de diagnóstico, mais frequentes, incluiu-se o refluxo gastroesofágico, estenose pilórica e obstrução intestinal; outras causas que se podem apresentar com vómitos são sépsis, alimentação excessiva ou hipertensão intracraniana.

Crianças maiores – múltiplas doenças podem estar presentes. A mais frequente é a gastroenterite aguda. Contudo, doença do refluxo gastroesofágico, gastroparésia, obstrução mecânica, síndrome de Munchausen, massas intracranianas, doença ulcerosa péptica e cetoacidose diabética também devem ser consideradas no diagnóstico diferencial. Crise adrenal e anafilaxia devem ser ponderadas em crianças com hipotensão e/ou fatores predisponentes.

Adolescentes – Em adição às patologias acima citadas, algumas causas comuns de vómitos nos adolescentes incluem gastroenterite aguda, apendicite, doença inflamatória intestinal, gravidez e ingestão de tóxicos.


Então, o que deve fazer?

Se o seu filho tem vómitos, deve estar atento.

O aspeto geral da criança é um dos sinais mais importantes.

Se a causa for apenas uma gastroenterite ligeira, a criança, apesar dos vómitos, sentir-se-á bem o suficiente para manter o apetite, brincar e continuar a comportar-se normalmente.

Nestes casos, se o bebé ainda está em fase de aleitamento materno, continue a amamentá-lo normalmente.

Nas crianças que já não estão em regime de amamentação, deve ser feita uma pausa alimentar de 30 minutos e, gradualmente, iniciar a ingestão de líquidos (água ou chá com açúcar, fórmulas hidroeletrolíticas pediátricas ou para adultos) em pequenas quantidades consoante a tolerância.

A maior parte dos quadros de vómitos não implica o tratamento com medicamentos, sendo os episódios transitórios e que resolvem apenas com medidas dietéticas.

Depois da tolerância dos líquidos, devemos introduzir progressivamente alimentos de maior consistência mas mantendo uma dieta alimentar probre em legumes verdes/crus, frutos crus, laticínios, gorduras, molhos.

Deve dar preferência à confeção dos alimentos sob a forma de cozidos, grelhados e estufados, sendo a sopa branca de arroz, cenoura e cebola uma boa alternativa (a canja, contrariamente ao que se pensa, não é uma boa aposta, pois resume-se a água, gordura e frango). Para uma sobremesa, a gelatina ou a pêra/maçã cozida são boas opções.

Quando procurar o médico

Se alguma coisa lhe suscitar preocupação no aspeto geral da criança, deve levá-lo ao médico.

Outras razões para levar o seu filho ao médico:

  • Continua a vomitar após 24 horas;
  • A criança não consegue reter líquidos por pelo menos 8 horas, ou tem aspeto desidratado;
  • Tem dor de barriga severa;
  • Tem dor de cabeça e o pescoço está “rijo”.

Quais são os sinais de desidratação?

Se houver vários episódios de vómitos e diarreia associada, a desidratação pode ocorrer com alguma facilidade, principalmente nas crianças mais jovens.

As crianças desidratadas normalmente sentem-se e aparentam não estar bem. Os sinais de desidratação principais são:

  • Boca seca;
  • Choro sem produção de lágrima;
  • Urinam menos ou sujam menos fraldas;
  • Têm mais sede;
  • Sentem-se fracas estão pouco ativas.

Nestes casos, o chamado sinal da prega passa a estar presente.

sinal da prega

Sinal da Prega

Conclusão

Os vómitos são na grande maioria das vezes auto-limitados e não estão associados a doenças graves.

O papel dos pais é cuidar da criança e estar atentos aos sinais de alarme descritos anteriormente. Caso apareçam, consulte o seu médico de família.

No caso de precisar de um médico de família, lembre-se da PT Medical!

– Dra. Albina Oliveira Especialista de Medicina Geral e Familiar –
– Dra. Ângela Soares Especialista de Medicina Geral e Familiar –

Pin It on Pinterest

Gostou do Artigo?

Partilhe com os Seus Amigos!