221 118 413 (08.00h às 23.00h) geral@ptmedical.pt

Incontinência Urinária Feminina

Como abordar este problema?

Introdução

A Incontinência urinária (IU) é a perda involuntária de urina na ausência de infeção do trato urinário . A sua incidência no sexo feminino  aumenta com a idade, atingindo 25% após a menopausa. Apesar do grande impacto na qualidade de vida da mulher, continua a ser uma entidade subdiagnosticada e subtratada.

Os fatores de risco mais importantes são:

  • Partos por via vaginal
  • Cirurgia pélvica extensa e outros  traumas na região pélvica;
  • Obesidade;
  • Obstipação 

Fisiologia da Micção

 

A bexiga tem 2 funções:

  • Reservatório da urina produzida pelo rim
  • Excreção intermitente e voluntária da urina armazenada.

Estas duas funções deverão reproduzir-se de forma coordenada através de uma rede neurológica complexa.

Na fase de enchimento da bexiga, sendo o objetivo não existir perda de urina mas sim de reserva, ocorre o relaxamento do músculo detrusor (músculo do pavimento pélvico, fig 1) e a contração do esfíncter uretral (músculo que envolve a uretra e cuja contração impede a saída de urina). Durante a micção, ocorre o inverso.

funcionamento da bexiga

O Músculo Detrusor é o músculo que envolve toda a bexiga.

Relaxa na fase de armazenamento e contrai na fase de micção (expulsão da urina).

A perda involuntária de urina ocorre quando a pressão dentro da bexiga excede a pressão de encerramento uretral. 

Tipos de Incontinência Urinária

Existem vários tipos de incontinência urinária sendo as mais frequentes na mulher: Incontinência urinária por esforço, a Incontinência urinária de urgência e a Incontinência urinária mista (os dois tipos de incontinência estão presentes).

Incontinência urinária de esforço

A mulher perde urina involuntariamente quando existe aumento da pressão intra-abdominal. Esta pressão aumenta a pressão dentro da bexiga que ultrapassa a pressão uretral, originando perda de urina involuntária sem estar associada à vontade de urinar.

Você pode sofrer de IU por esforço, se perder urina quando se ri, tosse, nas muda de posição ou faz atividade física.

Incontinência urinária de urgência

A urgência urinária é definida como uma vontade forte e inadiável de urinar.

Surge frequentemente associada a gestos simples do dia-a-dia, como por exemplo lavar a louça ou a introdução da chave na porta ao chegar a casa, e pode ser agravada pelo consumo excessivo de café, chá ou álcool.

Você pode sofrer de Incontinência urinária de urgência se perde urina por não conseguir chegar a tempo à casa de banho ou quando ouve ou mexe na água e se urina muitas vezes durante o dia (mais de 8 vezes) ou durante a noite.

Incontinência urinária mista

Quando ocorre combinação de sintomas da incontiência urinária de esforço e de urgência. Normalmente, um tipo é mais predominante do que outro. 

Tratamentos

Se existir uma causa reversível: esta deverá ser eliminada. Por exemplo, reduzir consumo de alguns alimentos, tratar a obstipação, retirar alguns medicamentos que agravam os sintomas, diminuir de peso.

Tratamento conservador:  A fisioterapia dos músculos pélvicos ou exercícios de Kegel apresenta eficácia nos vários tipos de incontinência. São exercícios de estimulação dos músculos pélvicos que ajudam a reforçar os mecanismos de encerramento da bexiga.

Exercicios de Kegel 

Deitada de costas, deverá contrair o pavimento pélvico (como se tivesse muito aflita para urinar) durante 5-10 segundos, depois relaxar mais 5 segundos.

Realizar o exercício 10 a 15 vezes por dia; Podem ser feitos em qualquer altura do dia durante a suas atividades de vida diárias; Os eEfeitos serão visíveis após 6 meses.

Estes podem ser associados a cones vaginais ou a Biofeedback, mecanismo que ajuda as doentes a identificarem os músculos do diafragma pélvico para saberem quando estão a contrair os músculos correctos e monitorizarem as suas contracções.

Também se pode utilizar a electro-estimulação em que os músculos são estimulados diretamente por correntes eléctricas, geralmente indicado nos casos em que as doentes não conseguem contrair voluntariamente os músculos em causa.

Tratamento farmacológico: está indicado no caso de Incontinência urinária de urgência e baseia-se em medicamentos anticolinérgicos ou antimuscarínicos que têm o objetivo de suprimir as contrações da bexiga.  A sua eficácia é limitada pelos seus efeitos laterais.

Os cremes vaginais com estrogénios têm interesse em mulher pós-menopausa e são uma terapêutica complementar às restantes.

Tratamento cirúrgico: aplica-se nos casos de Incontinência urinária por esforço. No entanto, quando é ligeira pode-se tentar primeiro por um tratamento conservador e farmacológico.

A cirurgia consiste na colocação de fitas sintéticas ou pubo-vaginais de forma a  estabilizar a uretra, que perante um aumento da pressão intra-abdominal provocado por um esforço contraria a hipermobilidade da bexiga, impedindo a perda de urina. 

Se acha que tem incontinência urinária, o que deve fazer?

Alterar a sua alimentação e estilos de vida

  • Deve evitar os alimentos picantes, os citrinos, o café, o chá, as bebidas gaseificadas e alcoólicas e os chocolates.
  • Deve evitar elevada ingestão de água à noite, de forma a reduzir a produção de urina nesse período.
  • Recomenda-se ingerir 1,5L de água durante o dia.
  • Promover o bom funcionamento intestinal;
  • Promover o esvaziamento completo da bexiga frequente e completo.

Se não for suficiente, consulte um médico

Como falado, existem várias alternativas terapêuticas que devem ser avaliadas caso a caso por um profissional de saúde.

LEMBRE-SE:

A incontinência urinária não é uma doença de idosos e tem tratamento! 

Se necessitar de acompanhamento especializado médico, de nutricionista ou fisioterapeuta, fale com a PT Medical.

Conheça também os nossos serviços de acompanhamento de idosos.

 

– Dra. Joana Casanova  Especialista de Medicina Geral e Familiar –   

Pin It on Pinterest

Gostou do Artigo?

Partilhe com os Seus Amigos!