Declarado o Óbito à Homeopatia?

Introdução

Hoje em dia, as Medicinas Alternativas estão a ganhar terreno à Medicina Convencional por diversas razões. (saiba mais)

Entram-nos pela casa a dentro mascaradas de diversas formas, seja como “Medicina Alternativa”, “Naturopatia”, “Medicinas Complementares” ou “Medicinas Integrativas”, entre outros nomes. O rótulo pode ser diferente, mas os resultados sãos os mesmos.

Relativamente à Homeopatia, podemos considerá-la uma filosofia pré-científica com base nas noções fantasiosas que semelhante cura o semelhante e que as diluições extremas de uma substância pode reter a essência mágica da substância. A diluição é tão absurda que é comum existir apenas uma molécula da substância diluída numa esfera com o diâmetro do nosso sistema solar. Algumas diluições são ainda maiores…a diluição pode ser tão grande que atinge uma molécula numa esfera do diâmetro do universo…não há erros ou enganos…é mesmo assim…e quanto mais diluída for a substância, maior é a sua eficácia e mais caro é o medicamento.

Essas ideias já eram consideradas fantasiosas há dois séculos atrás, quando a homeopatia surgiu. Os avanços científicos que temos feito desde então apenas aprofundaram esta conclusão. A homeopatia deveria ter sido deitada na lata de lixo da história, juntamente com a frenologia, a teoria humoral, mesmerismo, e outras ideias curiosas. A sua persistência é um testemunho do poder da inércia cultural.

Tanto que já tem direito a legislação e regulação, como uma profissão a sério…Portaria 207-C de 2014 8 Out – Homeopata

Tanto que existem seguradoras que comparticipam este tipo de tratamento!

O Óbito

Apesar do fato das poções homeopáticas terem essencialmente zero plausibilidade científica (o mais próximo de zero que podemos chegar na ciência), uma grande quantidade de recursos foram desperdiçados para testar a homeopatia clinicamente. A recente revisão da NHMRC publicada em Março de 2015 identificou mais de 1.800 estudos, dos quais 225 tinham tamanho e rigor suficiente para serem incluídos na revisão.

Foi concluído que: “a revisão não encontrou nenhuma evidência para apoiar a ideia de que a homeopatia funciona melhor do que um placebo (comprimido de açúcar).”

Apesar de em alguns estudos a homeopatia ter sido mais eficaz que o placebo, os estudos tinham poucos participantes ou a sua qualidade era questionável.

De acordo com o Professor Warwick Anderson, “Todos os tratamentos médicos e intervenções devem ser sustentados por evidências confiáveis. A avaliação do NHMRC mostra que não há nenhuma evidência de boa qualidade para apoiar a alegação de que a homeopatia funciona melhor do que um placebo “.

Em 2013, a NHMRC já tinha publicado uma revisão reunindo a evidência científica sobre a eficácia da homeopatia. Na altura, separaram os estudos pelas diferentes doenças existentes. Das 68 condições médicas estudadas, para 7 a evidência disponível não permitia tirar conclusões. Para as restantes 61 as provas eram claras – a homeopatia não era melhor que o placebo.

A NHMRC não foi a primeira a avaliar as provas ou chegar a esta conclusão. Em 2010, a UK House of Commons Science and Technology Committee publicou o seu próprio relatório, concluindo:

“Na nossa opinião, as revisões sistemáticas e meta-análises demonstram conclusivamente que os produtos homeopáticos não têm melhor desempenho do que os placebos. O Governo compartilha a nossa interpretação da evidência.”

Em 2010, Edzard Ernst publicou uma revisão sistemática de todas as revisões sistemáticas sobre homeopatia e concluiu:

“Os achados atualmente disponíveis não mostram que os medicamentos homeopáticos têm efeitos para além do efeito placebo.”

Os Suíços também analisaram as evidências científicas existentes sobre a homeopatia e chegaram a uma conclusão um pouco diferente. No entanto, este relatório requer alguma explicação. O grupo que realizou esta revisão estava repleto de homeopatas e de conflitos de interesse, sendo que a sua avaliação foi obviamente tendenciosa. No entanto, deve notar-se que, na verdade, este estudo também concluiu que a evidência clínica não demonstra que a homeopatia funciona.

O que eles tentaram fazer de seguida foi defender uma mudança de regras na avaliação da evidência científica disponível. O relatório foi criticamente analisado por diversos investigadores. Destaca-se este excerto:

“Este relatório é do ponto de vista científico, lógico e ético, imperfeito. Especificamente, não contém nenhuma nova evidência e interpreta de forma errada estudos previamente expostos como de fraca qualidade; cria um novo padrão de evidência concebido para que a homeopatia pareça eficaz; e existem diversas tentativas de desacreditar ensaios clínicos controlados, os estudos considerados como sendo os de melhor qualidade. Mais importante ainda, quase todos os autores têm conflitos de interesse, apesar de afirmarem de que não possuem nenhum. Se qualquer coisa, o relatório mostra que os homeopatas estão dispostos a distorcer evidências para apoiar suas crenças e os seus autores parecem ter violado os princípios da Swiss Academies of Arts and Sciences que regem a integridade científica.”

Parece ser claro: a evidência científica demonstra que a homeopatia não funciona. Os homeopatas não parecem preocupados em produzir evidência científica de qualidade para corroborar aquilo em que acreditam nem estão motivados para mudar os seus pontos de vista, tendo em consideração as provas produzidas. Em vez disso, lamentam-se e alimentam a tese da teoria da conspiração contra a homeopatia.

A resposta a esta última revisão sistemática tem sido fiel a esta forma de atuar. A porta voz Australiana da Associação Homeopática, Ana Lamaro, já deu o relatório como tendencioso. Refere:

“Estamos a generalizar as conclusões de estudos que avaliam de forma muito restrita a eficácia de um tratamento. Este tipo de pesquisa aplica-se bem a situações em que testamos um medicamento contra um estado patológico… No entanto, a Homeopatia é uma forma de tratamento holística, ou seja, leva em conta o psicossocial , o físico, o estado emocional da pessoa para avaliar o que eles podem precisar em termos de tratamento.”

Isto é apenas uma tentativa de distorcer os factos. Se as poções homeopáticas funcionassem, então os ensaios controlados com placebo deveriam demonstrá-lo. Os homeopatas também tiveram muitas oportunidades para a realização de ensaios em que os tratamentos eram individualizados, mas mesmo assim não foram capazes de demonstrar que a homeopatia funciona. Depois de 200 anos e centenas de estudos, os homeopatas não foram capazes de demonstrar que qualquer um dos princípios fundamentais da homeopatia são verdadeiros, ou que os tratamentos homeopáticos têm qualquer efeito para além do placebo.

Quanto mais tempo e recursos são necessários para dizermos “chega”?

Vamos analisar mais detalhadamente a declaração de Lamaro. Ela refere-se ao fato de que a filosofia da homeopatia nem sequer reconhece doenças, ou o conhecimento geral sobre a biologia e fisiopatologia. Não é baseado no nosso entendimento moderno de como funciona o corpo e a natureza das doenças específicas. Baseia-se em uma filosofia pré-científica absurda nos nossos tempos. A doença, de acordo com a filosofia homeopática, tem a ver com o tipo de personalidade do paciente.

Um questionário homeopático contém questões clinicamente relevantes como o formato do rosto, a forma das fezes, sobre a nossa personalidade, se somos aversos a calças justas, qual a nossa cor de cabelo, etc.

Esta é a ciência da fadas dos dentes dá a impressão de ser completa, holística, mas não há nenhuma evidência sobre isso. Estas perguntas, no entanto, servem de base para perceber qual o remédio que vamos diluir até não existir nada, para o podermos vender sob a forma de um comprimido caro.

Assim como não há duas leituras astrológicas iguais, também não existem duas consultas homeopáticas iguais – não há um padrão estabelecido e os “especialistas” não irão concordar um com o outro, porque tudo não passa de absurdos subjetivos.

Também parece interessante que sempre que os estudos clínicos mostram que poções homeopáticas são placebos caros, os homeopatas culpam imediatamente a indústria produtora dos medicamentos homeopáticos. O que Lamaro diz é que os produtos homeopáticos não funcionam por si mesmos, eles são parte integrante da consulta homeopática. Portanto, o que ela diz é que todos os produtos homeopáticos vendidos ao balcão das farmácias são vendas fraudulentas. O que será que a Boiron (o maior produtor de produtos homeopáticos) pensa sobre isso?

Conclusão

A homeopatia não pode funcionar. Esta é uma afirmação científica tão confiável quanto qualquer outra que possamos fazer. Por outras palavras, se a homeopatia funcionasse, nós teríamos que reescrever grandes partes dos livros dedicados às ciências básicas, incluindo a física, química e biologia.

Quando testados clinicamente, as poções homeopáticas mostram claramente que não são eficazes.

No entanto, os defensores da homeopatia querem que o mundo acredite que um homem, Samuel Hahnemann, tropeçou em um fantástico segredo há dois séculos atrás (na verdade, vários segredos) que desafiam a ciência e que foram ignorados durante os 200 anos de progresso científico e que hoje levariam a que a nossa compreensão do mundo ficasse de pernas para o ar.

Por alguma razão, no entanto, os crentes simplesmente não conseguem produzir qualquer prova convincente sobre as suas afirmações, nem mesmo que os produtos homeopáticos tenham qualquer tipo de propriedade, quanto mais propriedades curativas.

Depois de 200 anos, tudo o que eles produzem são desculpas aos montes e pedem mais estudos e mais estudos…por mais pesquisas intermináveis.

Por alguma razão, não podemos comandar a vontade política para fazer o que a razão impõe (e o que várias revisões sistemáticas realizadas por órgãos governamentais têm recomendado) e finalmente expulsar homeopatia de cuidados de saúde modernos.

Ainda assim, há pesquisadores, ou porque são verdadeiros crentes ou apenas ingénuos, que pedem ainda mais pesquisas sobre homeopatia. As exigências por mais pesquisas nunca vai acabar. Nós, no entanto, não devemos continuar a apoiar este profundo desperdício de recursos.

Ainda tem dúvidas que a homeopatia não funciona?

James Randi, um ilusionista americano acredita tão piamente que a homeopatia não funciona que oferece 1 milhão de dólares a quem provar o contrário.

Esta oferta tem vários anos e nunca foi reclamada por ninguém…

– Dr. João Júlio Cerqueira  Especialista de Medicina Geral e Familiar – 

PARTILHAR

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email